Um fato interessante sobre Berlim

Uma das coisas que mais curto em viagens é a riqueza histórica e o aprendizado que a gente tira de cada lugar.  Por isso, resolvi falar desse detalhe sobre Berlim, a capital da Alemanha. Além de toda beleza da cidade, o que mais me chamou atenção foi a forma como eles lidam com fatos históricos; fazendo questão de manter vivas as lembranças, principalmente as ruins.

Na cidade, além dos museus, encontramos pelas ruas monumentos e obras de arte referentes a vários acontecimentos importantes. Dentre eles, alguns homenageando as milhares de vidas perdidas durante o Holocausto da Segunda Guerra Mundial e outros se referindo à Guerra Fria.

Muro de Berlim

É provável que você já tenha ouvido falar do muro de Berlim. Aquele que durante 28 anos (de 1961 à 1989) separou a cidade em Berlim Ocidental (capitalista) e Berlim Oriental (socialista). O muro tornou-se um grande símbolo da Guerra Fria. Atualmente há várias partes dele espalhadas pela cidade. Em muitos desses locais encontramos informações sobre os acontecimentos daquela época.

Os alemães fazem questão de mostrar os erros do passado. Certamente para que não nos esqueçamos dos níveis de ignorância e crueldade que o ser humano é capaz. Além disso, serve para que não permitamos que isso ocorra novamente. Acima de tudo é uma forma de demonstrarem força e superação.

Partes do Muro de Berlim com grafites, ficavam localizados no centro da Postsdamer Platz
Partes do Muro de Berlim com grafites, ficavam localizados no centro da Postsdamer Platz

Admiro essa forma de lidar com os fatos, mantendo a história viva. Considero bem melhor que em muitos países que, infelizmente, tem o costume de “jogar para debaixo do tapete” toda a sujeira tentando escondê-la. Como por exemplo, o que o Brasil tentou fazer por anos com o período da ditadura que nosso país sofreu. 

Duas linhas de paralelepípedos no chão ajudam a documentar o trajeto do Muro que dividiu Berlim por tantos anos.
Duas linhas de paralelepípedos no chão ajudam a documentar o trajeto do Muro. 

Estou bem desatualizada, pois essas foram minhas impressões em uma viagem que fiz em julho de 2012. De lá para cá muita coisa mudou, soube que já existem várias outras obras de arte e memoriais desse tipo enriquecendo ainda mais a cidade. Como por exemplo, o Memorial do Muro de Berlim que dizem ser impressionante e espero ter a oportunidade de conhecer um dia. Para quem tiver interesse, é possível fazer alguns tours virtuais através do site oficial do Memorial. Além das imagens, no site há áudios disponíveis em alemão e em inglês.

Memorial do Holocausto em Berlim

Memorial dedicado aos 6 milhões de judeus mortos durante o regime nazista. Trata-se de um projeto elaborado pelo arquiteto americano Peter Eisenman. Inaugurado em 10 de maio de 2005, sendo parte das celebrações dos 60 anos do fim da Segunda Guerra Mundial.

Memorial do Holocausto em Berlim

Checkpoint Charlie

Antigo posto militar que servia de fronteira entre os lados Oriental e Ocidental de Berlim durante a Guerra Fria.

Confesso que esperava algo mais impactante em relação à essa antiga fronteira. Mas, nem vou julgar porque foi o único local de importância histórica que eu vi que se tornou algo de “diversão” turística. Talvez com o intuito de dar um pouco de leveza, não sei ao certo. Atualmente, onde ficava o Checkpoint Charlie existe uma reprodução da cabine de madeira com pessoas vestidas de soldados americanos sendo fotografados por turistas.

A foto abaixo, mostra a placa localizada no Checkpoint Charlie. Nela está escrito “Você está saindo do setor americano” em quatro idiomas: inglês, russo, francês e alemão. Pois ao término da II Guerra Mundial; representantes dos Estados Unidos, Inglaterra, União Soviética e França; se reuniram nas conferências de Ialta (URSS) e Potsdam (Alemanha) para redefinir as diretrizes da “nova ordem mundial”. Ali foi decidido, dentre outras coisas, que a Alemanha seria dividida em zonas de ocupação, cada uma delas controlada por um país.

Centro de documentação Topografia do Terror

Entre 1933 e 1945 ficava neste local a sede da Gestapo – Polícia Secreta do Estado, responsável por interrogar e torturar quem se opusesse a Hitler. Ali decidiram o destino de milhões de pessoas, prisioneiras da guerra. Atualmente virou um museu e tem essa galeria ao ar livre, fica atrás de uma enorme parte do Muro de Berlim que continua intacta. Lá encontramos documentos, fotografias, artigos de jornais antigos e textos detalhando a hedionda história do sistema de segurança nazista.

Centro de documentação Topografia do Terror em Berlim

A visitação ao Centro de Documentação Topografia do Terror é gratuita. Funciona diariamente das 10h às 20h, fechando somente nos dias 24 e 31 de dezembro e 1º janeiro. Está localizado na Niederkirchnerstrasse 8, próximo ao Checkpoint Charlie e também à Potsdamer Platz.

Por enquanto é isso, relevem a péssima qualidade das fotos. Como disse, elas foram tiradas em 2012 e a câmera que eu usava na época não era lá grandes coisas. Um dia quem sabe volto à Berlim e atualizo as fotos e as informações aqui, combinado?!

Bjux e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *